26 de mai de 2016

DOIS FILMES QUE TODO MUNDO DEVERIA VER PARA ENTENDER SOBRE POLÍTICA





A onda de ódio no Brasil e como se criam "mitos" na internet estão aí, acontecendo o tempo todo ao nosso redor. E isso não é legal.







Vocês se sente seguro na internet?









Há quanto tempo você sente medo?






Navegando pelos filmes encontrados no Netflix, encontrei dois que se complementam, de algum modo, além de serem muito atuais - e isso me assustou, de algum modo. São filmes realmente atuais. Vocês já perceberam que, de alguma forma, a intolerância está muito grande e não podemos viver assim. Temos que começar a entender o que está acontecendo, ou em que momento da história isso já aconteceu. Alguma coisa sempre se repete. Precisamos nos munir de instrução e amor para dissolver todo esse ódio por aí existente. O respeito pelo próximo precisa prevalecer e nós, na condição de professores, licenciados, bacharéis em Letras, HUMANOS E DE CIÊNCIAS HUMANAS precisamos, de algum modo, interromper essa propagação de discurso de ódio. Todos juntos por essa causa de amor e respeito. Todos juntos pela cultura.




Os filmes são:




1) A Onda (Die Welle)
Lançamento: 2009
Diretor: Dennis Gansel
Gênero: Drama
Nacionalidade: Alemã

Um professor da disciplina de Autocracia resolve fazer um experimento numa sala de aula e os alunos mudam completamente, ao ponto do professor perder o controle de seu experimento.

Onde eu assisti: Youtube, Netflix




 






2) Ele está de volta (Er ist wieder da)
Lançamento: 2015
Diretor: David Wnendt
Gênero: Drama
Nacionalidade: Alemã

Hitler está entre nós, em nossa sociedade contemporânea e líquida. Não se lembra como apareceu nos tempos atuais, mas percebe que o mundo dele ainda está presente em nossa sociedade. Viralizado no youtube como um comediante, aos poucos vai doutrinando os jovens e se tornando o novo "mito" da internet. 

Onde eu assisti: Netflix







PS.: Ao discordar de nossa opinião, PFV, deixem comentários que não agridam. =) Beijos de luz!
K.F.




←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

E aí, beletrista, o que achou?